Por que engordamos? INSULINA, a chave de tudo


Um dos motivos da existência deste projeto e eu ter criado esse blog foi ter lido o livro “Por que engordamos e o que fazer para evitar”, de Gary Taubes em 2013. Este post nada mais é do que um resumo deste livro. Se eu pudesse escolher apenas 3 livros sobre alimentação, um deles, seria esse. No livro ele critica a forma como olhamos para a contagem de calorias e a pirâmide alimentar defendida pela maioria dos nutricionistas. O livro também mostra o conceito de balanço calórico, como funciona e o porquê que a  estratégia do “déficit calórico” não é a fórmula mais indicada para quem decide perder peso. A crítica de Taubes é tão pertinente e estrondosa que ler seu livro mudará a forma como você olha para as calorias, para a pirâmide alimentar e sua dieta diária.

Gary Taubes

Gary Taubes nasceu em Nova York, em 1956, e é colaborador da revista Science. Não é médico, estudou física aplicada em Harvard, engenharia aeroespacial em Stanford e é jornalista pela Universidade de Columbia. Recebeu três vezes o prêmio Science in Society Journalism Award da National Association of Science Writers, sendo o único jornalista de mídia impressa a obter tal reconhecimento. É investigador pela fundação Robert Wood Johnson em Pesquisas sobre Políticas de Saúde da Faculdade de Saúde Pública da Universidade da Califórnia e autor de Good Calories, Bad Calories (2007), entre outros.

Para ler esse livro, você precisa abrir sua mente e esquecer tudo que você acha que sabe sobre dietas, emagrecimento, exercício físico, alimentação…etc. Gary Taubes vem, munido de mais de um século de estudos, dados, relatos e documentações que mostram que a sabedoria convencional sobre o porquê de engordarmos (ou não!), construída nas últimas décadas, é falha e não serve para uma alimentação saudável ou que vise perda de peso. Isso já foi demonstrado em dezenas de ensaios clínicos randomizados.

Usando uma argumentação em espiral, Taubes volta várias vezes em temas e conceitos já expostos em capítulos anteriores, mas o todo é coeso e ajuda a “desprogramar” nossa mente para aceitar as novas ideias e identificar os vilões e heróis da alimentação (e se você não leu o livro, eu super indico). Apesar de ter alguns conceitos técnicos de biologia, o livro é acessível para leigos, visto que as explicações são simples e cheias de exemplos e metáforas que ajudam a entender a idéia.

Para quem quer corrigir sua alimentação, não importa o objetivo, e quer se livrar de carboidratos e açúcares, este livro é a primeira parada: não comece sem ele.

Gary Taubes
Por que Engordamos: E o que Fazer Para Evitar

 

Mas voltando ao ponto chave, você sabe quem é o principal culpado?

“A Insulina”

A insulina é conhecida por todos no controle da glicose (“açúcar no sangue”). De fato, a regulação da glicose sanguínea é a tarefa primordial da insulina, e não é para menos: uma glicose muito baixa o deixará em coma, e uma glicose muito alta também! Embora a insulina tenha muitas outras funções, é evidente que, do ponto de vista evolutivo, ser capaz de reduzir rapidamente níveis perigosos e tóxicos de glicose é mais importante para manter o animal vivo do que qualquer outra função. E daí que derivam nossos problemas. Sendo a regulação da glicose sua função principal, o maior estímulo para a produção de insulina é o aumento da glicose no sangue.
As principais funções da insulina são:

  • Reduzir o açúcar no sangue, fazendo com que os tecidos transportem a glicose para dentro das células;

  • Estocar a gordura nas células adiposas, estimulando a síntese de triglicerídeos;

  • Estocar a gordura nas células adiposas estimulando a sua remoção da corrente sanguínea (estimulando enzima LPL dos adipócito);

  • Manter a gordura dentro das células adiposas, impedindo a enzima que degrada os triglicerídeos (através da enzima HSL) de funcionar;

  • Estimular a transformação de glicose em gordura no fígado, aumentando os triglicerídeos no sangue e seu estoque nas células adiposas;

  • Estimular a síntese de colesterol no fígado (através da enzima HMG-CoA sintase);

  • Estimular a síntese de glicogênio (a forma como os animais estocam glicose);

  • Estimular o uso da glicose pelas células (estimulando a glicólise por exemplo);

  • Inibir a enzima LPL nos músculos, forçando o uso da glicose como combustível ao invés da gordura;

  • Reter sódio e água nos rins.

E resumo, as ações da insulina alteram o equilíbrio do tecido adiposo no sentido do acúmulo de gordura, além de outros efeitos relacionados à “síndrome metabólica” (colesterol, triglicerídeos, hipertensão, diabetes, obesidade, etc.)

Existem outros hormônios que atuam sobre os adipócitos, mas na vigência insulina elevada, seus efeitos são suprimidos. Assim, para todo os efeitos práticos, regular o tecido adiposo significa regular os níveis de insulina.

Mas como esta gordura é armazenada?

A gordura em nosso corpo é armazenada na forma de triglicerídeos, ou seja: uma molécula composta por três ácidos graxos ligados por uma molécula de glicerol. O glicerol (C3H8O3), por sua vez, é criado quando a molécula de glicose (C6H12O6) é “quebrada” e “remontada” como glicerol.

Em outras palavras: quanto mais carboidratos, mais glicose e mais insulina. Quanto mais glicose e insulina, mais glicerol. Quanto mais glicerol, mais nossas células gordurosas podem estocar triglicerídeos (ou seja, gordura). Quanto mais gordura armazenada, mais gordos ficamos.

Em resumo:

  1. Nosso corpo armazena gordura como uma forma de se nutrir durante o tempo em que não estamos comendo, da mesma forma que guardamos o dinheiro na carteira para usarmos quando não estivermos próximo a um caixa eletrônico ou em um estabelecimento que não aceite cartão de débito.

  2. Quando você ouvir alguém falar que “os carboidratos (ou seja, a glicose) são a fonte de combustível preferida de nosso corpo”, saiba que na realidade a glicose não é a “fonte preferida” e, sim, a que mais causa prejuízo e que, por isto, nosso corpo precisa usá-la primeiro (a fim de se livrar de uma quantidade tóxica de açúcar no sangue).

  3. Quando nosso corpo queima açúcar (que vem dos carboidratos), ele para de queimar gordura, mas não para de armazenar gordura. Ou seja: quanto mais carboidratos você comer, mais gordo você vai ficar.

O objetivo aqui é que você entenda porque engordamos… e o que podemos fazer para evitar. Simples assim.

Não subestime quanto o senso comum falha em entender este processo. A maioria das pessoas acha que engordamos porque comemos mais calorias do que gastamos. E que para emagrecer basta comer menos e se exercitar mais.

Mas elas se esquecem (ou não conhecem) do papel de um hormônio essencial em nosso corpo: a insulina!

Você vai entender como realmente funciona. Para ajudar a explicar, usamos o infográfico que o pessoal do Fatopia.org montou. Veja abaixo!

Por que engordamos

 

fontes:

Por que engordamos e o que fazer para evitar: Taubes, Gary

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2011/12/chave-de-tudo-insulina.html

https://www.comidadeverdade.com.br/blog/

About the author: Jair Ricardo

6 comments to “Por que engordamos? INSULINA, a chave de tudo”

You can leave a reply or Trackback this post.

  1. article - 29 de abril de 2019 at 11:46 Reply

    Thanks to the wonderful guide

  2. see here - 5 de maio de 2019 at 09:13 Reply

    Thanks for the excellent manual

    • Jair Ricardo - 26 de julho de 2019 at 11:48 Reply

      THANK YOU ALREADY, ACCESS OUR HOME PAGE AND CONNECT WITH OUR SOCIAL NETWORKS …
      .
      Want to stay on top of all our tips and recipes? So like and follow us on Facebook, Twitter, youtube and Instagram!

Leave a Reply

Your email address will not be published.