Diferenciando má ciência de boa ciência


Agora pode comer gordura saturada? De acordo com a boa ciência,  sempre pôde…

E a carne vermelha tá dando câncer ainda? Nunca deu…

Mas falaram no jornal que carne pode causar câncer! Vai me dizer que eu também não preciso jogar a gema do ovo fora?

Não! Ninguém precisa jogar a gema do ovo fora porque não é ela que entope suas veias e fará você morrer de um ataque cardíaco.

E também não precisa mais ficar se preocupado quando for comer carne vermelha porque isso é um grande mito produzido por pesquisas e jornalistas sensacionalistas ou mal-informados mesmo. E para não sermos mais enganados, hoje aprenderemos a diferenciar MÁ ciência de BOA ciência.

Entretanto, talvez você já esteja cansado de ver notícias baseadas em estudos científicos que parecem não fazer muito sentido. Talvez você também já tenha perdido a fé nesse tipo de informação com as tais bases científicas e viva repetindo frases do tipo:

Já que tudo faz mal, mata ou engorda, então vou continuar comendo de tudo e ser feliz!

Pera lá! Depois de visualizar o infográfico abaixo, tenho certeza que você mudará bastante a forma como você verá (e com razão) esses estudos que hora afirmam uma coisa e depois afirmam exatamente o oposto.

Então confira agora mesmo esse didático infográfico que foi montado por Glauber Silva, do site obesoemagrece.com e tire suas próprias conclusões sobre os tipos de estudos que são publicados diariamente.

BOA ciência

 

Ainda, explicando brevemente os tipos de estudos que existem, há dois estudos, que têm mais valor do que o habitual, ou seja, são de maior impacto científico do que os outros.

Os estudos epidemiológicos: servem para levantar hipóteses, mas não estabelecem causa e efeito; eles estabelecem uma correlação.

Correlação não é causa! 

Os estudos observacionais podem estabelecer correlações, porém não conseguem identificar uma causa.

Somente os ensaios clínicos randomizados podem estabelecer causas.

Um exemplo conhecido de correlação foi demonstrada na Austrália, entre o consumo de sorvetes e o ataque por tubarões. Quanto maior o consumo de sorvetes, maior o número de ataques. Esta correlação é estatisticamente significativa. Você acredita que o consumo de sorvete CAUSA os ataques? É, eu também não. E o estudo está errado? Não. O que acontece é que estudos epidemiológicos podem ignorar variáveis de confusão. No caso, a variável é o calor. Quanto mais quente, mais sorvetes, e mais banhos de mar. O sorvete é apenas um indicador de calor, e o calor causa a ida ao mar, que causa um aumento no número de ataques.

Estudos prospectivos randomizados: ou ensaios clínicos. Este é o Santo Graal da pesquisa médica. Aqui, um grupo grande de pessoas é sorteado para dois grupos. Um grupo será o grupo controle, e o outro grupo receberá o tratamento/remédio/dieta. O sorteio assegura que, estatisticamente, quaisquer variáveis de confusão (conhecidas ou desconhecidas) estejam igualmente distribuídas entre os grupos.

Os estudos prospectivos randomizados são a base da medicina baseada em evidências. Quem já leu os artigos deste blog sabe que uma dieta com redução de carboidratos é superior tanto em perda de peso quanto em marcadores de risco cardiovascular, em TODOS os ensaios clínicos na qual isto foi avaliado. Já as dietas de baixa gordura tem apoio apenas em estudos epidemiológicos (o mesmo tipo de estudo dos ataques de tubarão). Os únicos 2 grandes estudos randomizados de dieta de baixa gordura mostraram que elas não tinham nenhum impacto benéfico sobre mortalidade ou doenças.
Os outros estudos importantes na medicina baseada em evidências são as Metanálises e Revisões Sistemáticas, estudos que combinam os resultados de vários estudos menores. As metanálises realizadas até agora sobre lowcarb não deixam dúvidas de sua superioridade, ao menos nos prazos de duração dos estudos (ver aqui e aqui).

 

Fontes:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23035144

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22905670

http://dietacomciencia.com/ciencia/

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2013/03/dois-grandes-estudos-introducao.html

https://obesoemagrece.com/

About the author: Jair Ricardo

Has one comment to “Diferenciando má ciência de boa ciência”

You can leave a reply or Trackback this post.

Leave a Reply

Your email address will not be published.