paleo

Base histórica e científica da dieta paleo


A base histórica e científica da dieta paleo surgiu há quase 2.6 milhões de anos, na qual o homem se alimentou somente de folhas, sementes, frutas e pequenos animais. O corpo humano tinha o metabolismo ideal para os alimentos desta época. Somente no ano 10.000 a.C., quando a Era Paleolítica termina e inicia a Era Neolítica, aparece a agricultura, e os grãos, legumes, açúcar e gordura são incluídos na dieta. Mais tarde, a dieta moderna oferece os alimentos processados.

Base científica

Demonstrou-se que a Dieta Paleo é mais nutritiva do que a dieta da Associação Americana do Coração, mais nutritiva do que a dieta da Associação Americana de Diabetes e mais nutritiva do que a pirâmide alimentar da USDA.” Dra. Terry Wahls.

Nos últimos tempos, tem sido relatado que muitas das doenças modernas são causadas, principalmente, pela alimentação atual. As enfermidades autoimunes aumentam. O número de pessoas com diabetes duplicou em 10 anos e a obesidade causa estragos em todas as camadas da população. A medicina e a indústria farmacêutica oferecem ajuda, mas são incapazes de oferecer uma solução real.

Os produtos lácteos são um ponto controverso entre os especialistas da Dieta Paleo. Alguns especialistas recomendam, mas não outros. Os produtos lácteos são fonte de alguns nutrientes e gorduras essenciais, mas a caseína e a lactose são perigosas para os seres humanos.

O Dr. Weston Price, investigou como uma tribo estabelecida no norte do Canadá se alimenta. Esta tribo continua consumindo, praticamente, os mesmos alimentos consumidos por seus ancestrais há milhares de anos. Inclusive, essas pessoas não comem peixe, porque os seus rios, maior parte do tempo, estão congelados e o acesso a verduras e frutas é quase inexistente. No entanto, na pesquisa do doutor Price, essa tribo não sofre de doenças modernas que mencionamos. O parto é feito sem complicações e de forma rápida, todo tem muita energia e podem suportar, facilmente, temperaturas de até 50° C abaixo de zero.

História

1975 – O gastroenterologista Walter L. Voegtlin publicou seu livro “A dieta da Idade da Pedra.” Ele explica que o homem é um ser carnívoro e que o homem Paleolítico segue esta dieta por 3 milhões de anos. Cientistas e profissionais da saúde continuam estudando este estilo de vida e perceberam que a raça humana não só, era mais saudável, mas também, vive mais com esta dieta.

1989 – O Dr. Staffan Lindeberg realizou várias investigações sobre a população KITAVA nas ilhas de Papua (Nova Guiné). Esta população não se adaptou a dieta moderna e 99,8% de sua dieta consiste de alimentos da época Paleolítica. Também estes, não sofrem das doenças atuais mais graves, 1990 – Hoje – A Dieta Paleo ganha, cada dia, mais popularidade. O ser humano está retornando às suas raízes para uma vida saudável e plena. Existem milhares de depoimentos de pessoas que puderam reverter enfermidades e se sentir, melhor do que nunca, somente após meses seguindo esta dieta e estilo de vida.

evolução

O que há de errado com a dieta atual?

A) O açúcar:

O consumo de açúcar ao longo dos últimos 100 anos aumentou de 1 kg a 35 kg (por ano). O desenvolvimento da gordura abdominal é promovido pela ingestão de carboidratos. Os carboidratos também produzem um aumento do nível de açúcar no sangue, causam a libertação de insulina, o que, quando repetida várias vezes por dia e todos os dias, provoca uma diminuição na sensibilidade dos receptores celulares e promove a resistência à insulina, uma das causas do ganho de peso.

A resistência à insulina, ao longo do tempo, causa diabetes, aumenta a pressão arterial, triglicerídeos e os níveis de glicose. Estas reações aumentam o aparecimento de radicais livres, causando danos ás células, acelerando o processo de envelhecimento. Se calcula que a fermentação do açúcar pode ser o meio preferido pelo qual as células cancerosas podem replicar e dividir-se.

O açúcar cria um estado de dependência. Se você já fez dieta, sabe que os primeiros dias com baixa ingestão de açúcar se tornar um verdadeiro pesadelo.

B) O trigo, cereais e leguminosas:

O trigo contém muitas proteínas, mas também tem fatores antinutricionais prejudiciais e o glúten, talvez seja o pior. Contrariando a crença popular, os pacientes celíacos não são os únicos que tem problemas com glúten.

Cereais e grãos contêm enzimas, proteínas e lectinas que atuam como defesa da planta contra os “predadores”, neste caso, nós. Cereais e grãos não são adequados o consumo humano, já que alguns produzem efeitos antinutricionais, que podem desfazer algumas enzimas, o que impede as pessoas possam consumir certos alimentos. O trigo ainda causa a síndrome do intestino irritável. A permeabilidade do intestino não permite que os nutrientes necessários sejam absorvidos pelo corpo. Então, não é nenhuma surpresa que essa síndrome esteja relacionada a doenças cardiovasculares, doenças autoimunes e ao câncer.

C) Legumes e frutas:

As fibras em frutas e legumes também causar problemas. Estas irritam e danificam as paredes intestinais, como eles estimulam a digestão, produzem a fermentação dos alimentos e aumentar a demora na absorção de nutrientes. Ademais, várias frutas e vegetais causam inflamação em algumas pessoas e, se deve aos fatores antinutricionais que foram citados acima. Este é o caso da batata, tomate, pimentão, berinjela, etc.

O problema é que o fruto é composto do açúcar, chamado de frutose ou sacarose, que é prejudicial para as pessoas. Há argumentos que dizem que os frutos são aprovados na Dieta Paleo porque, naquela época, estavam disponíveis (portanto, provavelmente eram consumidos). Mas, não devemos esquecer que as frutas que os nossos ancestrais comiam, eram bem menos doces que as que comemos hoje, geradas com técnicas de hibridização.

Por outro lado, a fruta estava disponível apenas em curtos períodos, por conseguinte, o pâncreas (e a insulina) era estimulada apenas durante uma estação.

D) Os produtos lácteos:

Outra mentira da indústria agroalimentícia é que os produtos lácteos são os seus companheiros para a vida. Os seres humanos são a única espécie que se alimentam do leite outro ser vivo e, embora o leite contenha vários
nutrientes, também possui elementos nocivos para a saúde como, por exemplo, a caseína. Os produtos lácteos favorecer o desenvolvimento de intestino permeável e cândida albicans.

Resumo
– A nossa dieta moderna, cheia de alimentos refinados, gorduras trans e açúcares, é a raiz de doenças degenerativas, tais como obesidade, câncer, diabetes, doenças cardíacas, Parkinson, a doença de Alzheimer, depressão e infertilidade.

– A Dieta Paleo, baseada em alimentos simples, pode ser de grande benefício para centenas de pessoas que sofrem os efeitos de uma dieta processada. Nesta dieta, se comem as folhas, raízes, sementes, carne, peixe e nenhum cereal.

E você sabia? 💡 Que sozinho(a) você pode perder vários quilos no  primeiro mês com a dieta Paleo?
.
Você pode clicar no neste link para obter tudo o que você precisa saber sobre nossa filosofia.
.
Imagine … 🤔 daqui a 30 dias, você terá concluído com êxito o nosso curso Dieta Paleo – passo a passo.

capa curso

Você não apenas sentirá uma enorme sensação de realização, como também:
▪️ Sentir mais leve e mais magro (não é incomum perder +10 quilos!)
▪️ Ter mais energia do que você sente em anos.
▪️ Dormir melhor e se sintir mais descansado quando acordar.
▪️ Observar melhorias na sua pele e cabelos.
▪️ Provavelmente o melhor de tudo, você terá facilidade para continuar com seu novo estilo de vida paleo, sem esforços… poderá começar forte e terminar ainda mais forte. 💪

Quer mais ideias para uma alimentação saudável? Então adquira agora mesmo o e-book gratuito.

About the author: Jair Ricardo

Has one comment to “Base histórica e científica da dieta paleo”

You can leave a reply or Trackback this post.

Leave a Reply

Your email address will not be published.